2023-sessoes-especiais

 
 
 
 
SESSÕES ESPECIAIS
SPECIAL SESSIONS
 

5 de outubro | 21 h 30 | CineTeatro
Sessão de abertura | Exibição extracompetição
“CineConcerto FILMar”, interpretado ao piano por Filipe Raposo

Nesta sessão especialmente concebida para o CineEco, reúnem-se filmes onde a paisagem e a presença humana são mediadas pelo cinema. A música do pianista e compositor Filipe Raposo é o fio condutor de narrativas de especulação, interpretação e perceção dos modos de observar, reter e tratar os corpos físicos, naturais e geográficos que, ao longo do tempo, documentam, também, a memória que o cinema ajudou a inventar.

No conjunto dos filmes, destaque para o diálogo entre SERRA DA ESTRELA (1921) e MATA DO BUSSACO (1919?), raro e misterioso filme, do qual se sabe muito pouco, a não ser tratar-se de um documento assinado por um pioneiro do cinema norueguês, Hans Berge, que terá vindo a Portugal no final da década de 1910, encontrado há um ano nos arquivos da Biblioteca Nacional da Noruega, um dos países doadores do projeto FILMar.
A sessão é composta pelos filmes:
> SERRA DA ESTRELA (Raul de Caldevilla, 1921).
> MATA DO BUSSACO (Hans Berge, 1919)
> TOSQUIA DE OVELHAS NO PAÚL DA SERRA, MADEIRA (Manuel Luís Vieira, 1937)
> LAGOA (Filmes Castello Lopes, 1929)
> A INDÚSTRIA BALEEIRA (João César de Sá, 1932)
> NAZARÉ, PRAIA DE PESCADORES (Leitão de Barros, 1929) - composição original de Filipe Raposo (2020)
Com exceção de NAZARÉ, PRAIA DE PESCADORES, onde Flipe Raposo interpretará a partitura de sua autoria, encomendada pela Cinemateca Portuguesa em 2020, o acompanhamento dos restantes filmes será feito com uma composição inédita. O filme MATA DO BUSSACO é apresentado em colaboração com a Nasjonalbiblioteket (Biblioteca Nacional da Noruguesa) e o Norsk Film Institutt (Instituto do Cinema da Noruega). Esta sessão tem o apoio do projeto FILMar, desenvolvido pela Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema e operacionalizado pela Direção-geral do Património Cultural, no âmbito do Mecanismo Financeiro Europeu EEAGrants 2020-2024.

 

5 of october | 21h30 | CineTeatro
Opening session | Extra competition exhibition
“CineConcerto FILMar ”, performed on the piano by Filipe Raposo

This session especially designed for CineEco brings together films where the landscape and human presence are portrayed by cinema. The music of pianist and composer Filipe Raposo is the common thread throughout narratives of speculation, interpretation and perception of the ways of observing, retaining and portraying physical, natural and geographical bodies, which over time also document the memory that cinema has helped to invent. In the set of films, of special note is the dialogue between SERRA DA ESTRELA (1921) and MATA DO BUSSACO (1919?), a rare and mysterious film of which very little in known, apart from the fact it is a document produced by a pioneer of Norwegian cinema, Hans Berge, who travelled to Portugal towards the end of the second decade of the 20th century, and which was found one year ago in the archives of the National Library of Norway, one of the FILMar project donor countries.
The following films will be screened:
> SERRA DA ESTRELA (Raul de Caldevilla ,
> MATA DO BUSSACO (Hans Berge, 1919)
> TOSQUIA DE OVELHAS NO PAÚL DA SERRA, MADEIRA (Manuel Luís Vieira, 1937)
> LAGOA ( Filmes Castello Lopes, 1929)
> A INDÚSTRIA BALEEIRA (João César de Sá, 1932)
> NAZARÉ, PRAIA DE PESCADORES (Leitão de Barros, 1929) original song by Filipe Raposo (2020)
With the exception of NAZARÉ, PRAIA DE PESCADORES, where Filipe Raposo plays a musical score he himself wrote, commissioned by the Cinemateca Portuguesa (Portuguese Cinematheque) in 2020, the soundtracks of the other films are unreleased compositions. The film MATA DO BUSSACO is presented in collaboration with the Nasjonalbiblioteket (National Library of Norway) and the Norsk Film Institutt (Norwegian Film Institute). This session is supported by the FILMar project and organised by the Cinemateca Portuguesa Museu do Cinema (Portuguese Cinematheque Cinema Museum) and put into practice by the Directorate General of Cultural Heritage, within the scope of the EEA Grants European Financial Mechanism 2020 2024.

 

12 de outubro | 16h e 18h | CineTeatro
Sessão Dupla
“Verdes anos , maduros anos : 1963 2023”
com Isabel Ruth, João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata.

O CineEco regressa ao filme clássico fundador do cinema novo português, «Verdes Anos» (1963), de Paulo Rocha, exibindo-o numa sessão dupla com «Onde Fica Esta Rua ou Sem Antes Nem Depois?» (2022), de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata. 
Neste novo filme, os dois cineastas deixaram-se guiar através do olhar cinematográfico e da planificação de Paulo Rocha, observando “camadas geológicas, urbanas e sociais sucessivas de Lisboa”, e filmando em locais da cidade agora sitiados pela pandemia. Os mesmos planos, as mesmas cenas, a ruralidade da capital urbanizada em avenidas novas - meio século depois que Lisboa vimos e vemos? 
Assim, os 60 anos de «Verdes Anos» são assinalados através desta redescoberta fantástica de uma obra que continua a moldar o cinema moderno português, como acontece neste novo ‘filme espelho’ de uma dupla de cineastas contemporâneos. 
João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata estarão presentes na sessão dupla acompanhados de Isabel Ruth, atriz com uma icónica presença em «Onde Fica Esta Rua ou Sem Antes Nem Depois?» e que interpreta Ilda em «Verdes Anos».

> 16h
“Verdes anos”
Paulo Rocha, Portugal, Ficção, 64'

Um rapaz de 19 anos , Júlio, vem para Lisboa a fim de tentar a sua sorte como sapateiro . No dia em que chega a Lisboa, um acidente fá lo conhecer Ilda, uma rapariga da mesma idade , empregada doméstica num prédio perto do local de trabalho de Júlio. À medida que o filme se desenrola , vai nascendo um romance de amor entre os dois , mais forte da parte de Júlio, que ciumento , sentindo se numa atmosfera estranha e hostil , desconfia permanentemente de Ilda, facto que a leva a romper o namoro . Num momento de cólera , impulsivo , Júlio acaba por matá la.

Trailer: https://vimeo.com/126359437

Esta cópia corresponde ao restauro digital de Os Verdes Anos ” feito a partir de uma nova matriz de resolução 2 K produzida ainda em vida do Realizador e por iniciativa deste . O material de imagem transcrito foi o negativo de imagem de 35 mm, no qual foram enxertados alguns planos que tinham sido cortados por motivo de censura , neste caso obtidos numa cópia de 16 mm tirada originalmente por iniciativa do Realizador para divulgação no Japão . A versão final com inclusão destes excertos obedece à montagem da versão que tinha sido restaurada analogicamente no laboratório da Cinemateca Portuguesa em 2006 , aprovada pelo Realizador . O som foi restaurado digitalmente tomando como referência a mistura final do negativo de som óptico mas recuperando também bandas magnéticas parciais de som ambiente e música . Prosseguindo a colaboração inicialmente prestada a Paulo Rocha, as várias etapas do restauro tiveram a supervisão do Realizador Pedro Costa, a quem a Cinemateca Portuguesa Museu do Cinema manifesta o seu profundo agradecimento.

> 18h
“Onde fica esta rua ? Ou Sem antes nem depois"
João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata, Portugal, Documentário , 2022 , 88'

Da nossa janela vê se um décor do filme "Os Verdes Anos", realizado por Paulo Rocha em 1963 . Este foi o nosso ponto de partida : guiados pelo olhar de Rocha, voltamos a olhar para os lugares desse filme . Os sucessivos estratos geológicos , urbanísticos e sociais de Lisboa, sitiada pela pandemia que interrompeu as filmagens , desenham se em frente à nossa câmara , como um improviso de jazz contemporâneo a partir de uma partitura escrita em 1963.

Trailer: https://vimeo.com/ 735444498

 

12 of october | 16 h and 18 h | CineTeatro
Double Session | Extra competition exhibition
“Verdes anos , maduros anos : 1963 2023"

CineEco returns to the classic founding film of the new Portuguese cinema, Paulo Rocha’s Verdes Anos (1963), playing it in a double session alongside Onde Fica Esta Rua ou Sem Antes Nem Depois? (2022), directed by João Pedro Rodrigues and João Rui Guerra da Mata. 
In this new film, the two directors allow themselves to be guided by the cinematographic eye and planning of Paulo Rocha, observing “successive geological, urban and social layers of Lisbon”, and shooting in locations of the city under siege by the pandemic. The same shots, the same scenes, the rurality of the capital urbanised into new avenues. Half a century later, what Lisbon have we come to and what Lisbon do we see? 
The 60-year commemoration of Verdes Anos is therefore celebrated through this fantastic work of art that continues to shape modern Portuguese cinema, as happens in this new ‘mirror film’ by two contemporary filmmakers. 
João Pedro Rodrigues and João Rui Guerra da Mata will attend the double session, accompanied by Isabel Ruth, the actress with an iconic presence in Onde Fica Esta Rua ou Sem Antes Nem Depois? and who plays Ilda in Verdes Anos. 

> 16h
“Verdes anos”
Paulo Rocha, Portugal, Fiction, 64'

A 19 year old boy, Júlio, comes to Lisbon to try his luck as a shoemaker. On the day he arrives, an accident brings him into contact with Ilda, a girl of the same age, who is a cleaner in a building near where Júlio works. As the film progresses, a romance between the two develops, felt more intensely by Júlio, whose jealously, exacerbated by what he perceives as a foreign and hostile atmosphere, leads him to constantly mistrust Ilda, which results in her breaking off the relationship. In an impulsive moment of rage, Júlio ends up killing her.

Trailer: https://vimeo.com/126359437

This copy is a digitally restored version of “Os Verdes Anos” (The Green Years) made from a new 2K resolution version produced by the original director. The transcribed material was the negative of 35mm image, onto which some shots have been integrated that had been cut out by censors, which were obtained from a 16mm copy that the director originally filmed for dissemination in Japan. The final version, which includes these excerpts, are in sync with the production of the version that had been analogically restored in the Portuguese Cinema laboratory in 2006, and approved by the director. The sound was restored digitally taking as the reference point the final mix of the optic sound negative but also recovering the partial magnetic bands of the atmospheric sound and music. In step with the collaboration initially provided to Paulo Rocha, the various stages of the restoration were carried out under the supervision of the director Pedro Costa, to whom the Portuguese Cinematheque Cinema Museum hereby expresses its profound gratitude.

> 18h
Where is this street? Or with no before and after.
João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata, Portugal, Documentary, 2022, 88’

From our window one can see a set of the film "The Green Years", directed by Paulo Rocha in 1963 . This was our starting point: guided by Rocha s gaze, we look back at the places of that film. The successive geological, urbanistic, and social strata of Lisbon, besieged by the pandemic that interrupted the shooting, are drawn out in front of our camera, like a contemporary jazz improvisation from a score written in 1963.

Trailer: https://vimeo.com/ 735444498

 


13 de outubro | 21 h 30 | Cineteatro
Filme de encerramento | Exibição extracompetição
“Ácido"
Just Philippot , França , Drama, Fantasia, 100', 2023


©BONNE PIOCHE CINÉMA, PATHÉ FILMS, FRANCE 3 CINEMA, CANÉO FILMS - 2023

Durante uma vaga de calor estranhas nuvens causam uma chuva ácida resultando em devastação e pânico em toda a França.
Num mundo à beira do abismo uma rapariga e os seus pais divorciados (Guillaume Canet e Laetitia Dosch) têm de unir esforços para tentarem escapar à catástrofe climática.

Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=eD7E_T2krTU

 

13 of October | 21 h 30 | Cineteatro
Closing film | Extra-competition exhibition
“Acide"
Just Philippot , France , Drama, Fantasy, 100', 2023

During a heat wave, strange clouds start pouring down acid rain, wreaking devastation and panic throughout France In a world teetering on the edge, a girl and her divorced parents must join forces to confront and try to escape this climate catastrophe.

Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=eD7E_T2krTU